Carne

by Bratislava

/
  • Immediate download of 13-track album in your choice of high-quality MP3, FLAC, or just about any other format you could possibly desire.

     

1.
2.
3.
4.
5.
04:40
6.
7.
04:30
8.
9.
03:01
10.
05:06
11.
03:00
12.
13.

credits

released 13 November 2012
CARNE é o primeiro disco (full-length) da banda, com 12 canções inéditas e 1 faixa do EP Longe do Sono (lançado em 2011) remixada por Matschulat.

O disco conta a saga de um protagonista sem nome, que vaga por cenários realistas e absurdos - desde uma caminhada pela avenida Paulista até o vislumbre de um jardim asteca no meio do sertão - questionando seus próprios demônios e enigmas, botando em cheque os costumes sociais, a normalidade, os vícios da memória, a vida eterna e o paradoxo da perfeição.

Produzido por Claudio Machado, Fabio Santini, Luis Lopes e Victor Meira no estúdio C4, em São Paulo. CARNE conta com a participação dos amigos Brunno Cunha (teclados), Thamires Tannous (vozes), Daniel Nunes (beats eletrônicos), James Muller (percussão) e Lucas Weier (acordeon).

tags

license

all rights reserved

feeds

feeds for this album, this artist

about

Bratislava Sao Paulo, Brazil

Bratislava é rock brasileiro, um malote soteropaulistano com porradas de selos e um papo zíngaro de trapo e drive.

contact / help

Contact Bratislava

Download help

Track Name: Jardim Asteca
Eu vi um jardim asteca
no meio do sertão
eu nem sei se estou são

Eu vi um castelo maia
no sul da Bahia
como fui parar ali?
Track Name: Curandeiro de Velhos Perdidos
Eu desci do avião no inferno do Atacama
e a dor do cajado calejava a minha espera
os olhos de mariposa prometem, tão sutis e sedutores
andar pela terra mais uma vez

Trago luta, trago desespero e dor
eu imploro, o mundo todo já falhou
abra a porta, aqui fora a minha pele queima
ó vidente, me devolva o que acabou
no fim da luta já posso ver a luz

Quanto custa o tempo? E que alento que me afaga
enquanto o brilho não se põe?
Essa massa negra esparramada na garganta
anuncia a minha eternidade

Trago luta, trago esperança e dor
eu imploro, o mundo todo já falhou
abra a porta, aqui fora a minha pele queima
ó vidente, me devolva o que acabou
no fim da luta já posso ver a luz

Já posso andar pelo sol
ser o rei desse farol
um corpo de ondas de luz
um juiz, um rei, o infinito que não existe
Track Name: Mapa do Deserto
O fim do mês encontrava o meu carpete todo empoeirado
um raio de sol formigava a multidão de pontos brancos no ar

Meus olhos ressecam no fundo do mar

O chão da minha casa é o mapa do deserto
de um lugar qualquer...

O fim do dia se agita e leva embora o que ali morava
no escuro se precipita e desintegra

A multidão de pontos brancos no ar

O chão da minha casa é o mapa do deserto
de um lugar qualquer...
Track Name: Discurso Batido
Folhas secas soltam velharias
em discursos que meu avô já dizia que eram péssimos

Não sei o que te atrai nas plantas novas no quintal de casa
Eu não sei o que te atrai nos gritos de poder

Quiçá funcione um dia
Quem sabe?

Folhas secas soltam velharias
em discursos que meu avô já dizia que eram péssimos

Não sei o que te atrai nas plantas novas no quintal de casa
Eu não sei o que te atrai nos gritos de poder
Track Name: Aconchego
Quando a morte voar
os aviões não vão precisar cair pra cumprir tragédias
Veremos cadáveres em órbita
pássaros antepassados vão passando sem vida no céu
Se a morte voasse
a gravidade seria coisa de gente viva
Seria diferente, seria diferente
desse imã no centro da Terra

Daria pra aprender, daria pra aprender
com os corpos celestes
a conviver com o fim
Track Name: A Massa que dá fortuna
Quem não soube criar nada perfeito?
que não sofresse o efeito dos dias, das eras
quem não soube fazer um lugar perfeito?
que não tivesse defeitos, que não se perdesse

A massa que dá fortuna tem que estar vestida pra matar
tem que erguer os olhos gigantes do povo de um mundo que derrama

Foi o erro zero
de quem não soube fazer nada perfeito
Track Name: Fôssemos Gatos
Nunca saberíamos ser gatos!

Se fossemos gatos, jamais vadiaríamos telhados
pelas paulistas noites vazias, silêncio morno num céu mijado

Pelo contrário, trabalharíamos por peixes descamados
saladas mistas de ambrosia, queijo brie, um castelo de brie!

Nunca saberíamos ser gatos!
Track Name: Holga
Foi na viagem que fizemos pro Pará
eu fiz as fotos pra lembrar que vivemos lá

Foi na viagem que fizemos pro Uruguai
eu não fiz fotos, mas me lembro de lá

Eu me lembro...
Track Name: Vermute
Esse é o ataque de um video cassete de quatro cabeças
um Maverick que respeita sinalização
operetas com mensagens eleitorais
é um drink pra problemas de ereção

Essa é a receita de uma cinta-liga à parmegiana
maquiagem para dentes com obturação
sedativos para bailes discotecs
é um drink pra problemas de gestação
Track Name: De onde não se vê o céu
Eu vou invadir essas terras que eu mesmo criei
eu vou infestar esse mundo com criaturas
muito parecidas comigo...
o lar é um dos lugares na cidade de onde não se vê o céu

Talvez eu me submeta
quem sabe haja alguém maior que eu
talvez eu tenha mesmo algumas falhas
muito parecidas com as que criei

Quem não vê que esse falso sentido
tem o peso imaginário de um enorme reservatório de ar?

Talvez eu me submeta
quem sabe haja alguém maior que eu
talvez eu tenha mesmo algumas falhas
muito parecidas com as que criei
Track Name: Esperanza | Matschulat Remix
Rotundo composto, o mundo do fogo moroso soava junto ao outono
embaçado e fosco, inunda um lugar perigoso e voa pra longe do sono

Todo um tonel de chumbo
louro no couro moreno
solto no touro do bumbo
solto num sol pequeno

Um segundo sol acordado
debaixo do seu colo sereno